Archive for novembro \25\UTC 2013

Protegido: Entre a razão e a estupidez: o pensamento jurídico enobrece ou emburrece o homem?

novembro 25, 2013

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Anúncios

Protegido: A Engenharia Reversa da Argumentação

novembro 18, 2013

Este conteúdo está protegido por senha. Para vê-lo, digite sua senha abaixo:

Mea Maxima Culpa

novembro 15, 2013

Vale muito a pena assistir o documentário “Mea Maxima Culpa”, da HBO. Não é um filme fácil de assistir, pois o tema é incômodo do começo ao fim: o abuso sexual por padres católicos. A lição de fundo parece ser mais complexa do que um mero deslize ou distúrbio psicológico de alguns sacerdotes. Se olharmos além do problema específico, veremos que há toda uma construção teológico-dogmática, em torno do “perdão”, “arrependimento”, “salvação”, que está por detrás de muitos males praticados por pessoas que enaltecem sua religiosidade e se escondem sob o manto da pseudo-fé para continuarem seus pecados. Os dogmas religiosos, rodeados de alegorias em torno do “homem pecador”, do “livre arbítrio” e da “penitência”, parecem servir para dar um conforto psicológico à prática das maiores atrocidades que, convenientemente, serão objeto de uma futura piedade divina. É muito fácil assim conciliar a retórica religiosa com uma vida impregnada de maldades sem os incômodos provocados por uma sincera reflexão ética.

Entendedores entenderão.

Hora de Aventura: o episódio perdido

novembro 3, 2013

Este post será escrito por três pessoas: eu, George Marmelstein, e meus filhos: Vinícius Marmelstein (9 anos) e Diego Marmelstein (7 anos). Vamos comentar o caso do desenho “Hora de Aventura: o Episódio Perdido”. Seu objeto é um problema de alta complexidade: os limites da liberdade de expressão e a proteção do público infantil.

O que aconteceu foi o seguinte, nas palavras do Dieguinho: um homem criou o “Hora de Aventura”, que é um desenho infantil que passa no Cartoon Network. Porém, ele bagunçou tudo, ou seja, colocou tudo ao contrário: ao invés de ser infantil, ele fez um roteiro para gente grande. Em um capítulo polêmico, a Princesa Jujuba foi até a casa de Finn, e disse: “O Inferno Precisa de Você”. O Finn respondeu: “Que Inferno que nada”. Pegou uma garrafa quebrada e lançou na cara a Princesa Jujuba. Jake, que era o cachorro amigo de Finn, olhou tudo. Ele ficou maluco quando viu aquilo. Finn olhou pra ele, e pegou os cacos da garrafa que tinham quebrado no chão, pegou um pedaço de vidro e lançou na cara do Jake. E no Episódio do Ricárdio, o coração de Rei Gelado, Finn mostra uma foto de um bebê com uma faca na boca. Então olha pra Princesa Jujuba, enfia uma faca na garganta dela, rindo de sua morte, e gritou “Inferno”, com a voz do Jake. O episódio nunca foi ao ar, mas um estagiário que assistiu ao filme acabou colocando o roteiro no ar: Eis um vídeo narrando o episódio:

O homem que criou “Hora de Aventura” acabou se demitindo.

Diante disso, o que pensar? O desenho deve ser transmitido? O criador de Hora de Aventura deveria mesmo ter se demitido?

Vinícius: ele deveria se demitir, porque ele poderia sofrer sérios problemas ao continuar na “Hora de Aventura”. Ele errou ao fazer esse vídeo diferente do contexto original, incluindo cenas inapropriadas para crianças. Cenas de violência, palavras que não eram para crianças aprenderem não deveriam estar em filmes infantis. Ele está errado.

Dieguinho: ele fez a coisa certa, pois ele fez uma coisa errada e reconheceu que era errada, então ele fez a melhor coisa a se fazer. O filme que ele fez era errado porque ele incluiu no filme coisas de adulto, porque tem sangue, morte e destruição. Crianças não podem ver isso, pois podem achar que é certo e podem querer fazer o mesmo. Se ele pedir desculpas, ele pode voltar a fazer o “Hora de Aventura” como deve ser, ou seja, sem sangue, sem morte e sem destruição.

George Marmelstein: primeiro, não posso deixar de mencionar meu orgulho, pois foram meus filhos que trouxeram esse caso para mim. Segundo, eles foram capazes de tomar decisões sem minha influência. Tentei ao máximo não deixar que eles se influenciassem pela minha opinião. Depois disso, posso comentar. É impressionante como os desenhos de agora são diferentes de antigamente, seja para melhor, seja para pior. Esse mesmo “Hora de Aventura” tem episódios inteligentíssimos, muito bem construídos. Mas, infelizmente, o criador parece que abusou… Levou sua visão negativa de mundo para o público infantil. Sua demissão foi um ato de reconhecimento do erro. É lógico que poderíamos lançar aqui questões até mais complexas: poderia tal desenho ser censurado? Caberia uma indenização pelo fato de ter ido ao ar e inúmeras crianças terem assistido? Pelo que pude perceber, o episódio perdido nunca foi ao ar. Porém, até hoje, o espírito de “sangue, morte e destruição” continua no filme.

Para meus filhos, o filme tem que continuar, sem as cenas inapropriadas. E vocês, o que acham?


%d blogueiros gostam disto: