A calmaria do blog

by

Depois da tempestade do semestre passado, com muitos posts, papers e discussões aqui no blog, optei por diminuir o ritmo de postagens por algumas razões.

Motivo óbvio: voltei ao trabalho. Ainda estou me readaptando à rotina de vara/turma recursal.

Além disso, assumi o desafio de lecionar a disciplina de Filosofia do Direito e, como nunca havia ministrado essa matéria, tenho que preparar as aulas e o material de estudo, o que não tem sido fácil. Passei todo o mês de julho lendo e relendo a bibliografia básica da filosofia do direito para ver o que havia de novo: Kaufman, Engish, Villey, Reale, Bittar, entre outros. De todos eles, o que mais me impressionou pela linguagem e conteúdo foi o livro “A Filosofia do Direito”, de Michel Tropper. Um livrinho de 150 páginas muito saboroso, apesar de eu discordar de muitas idéias que ele defende. Vale a pena a leitura.

Mas não é só isso. Estou com um projeto à vista que tem consumido meu tempo nas escassas horas vagas. É um livro de “auto-reflexões” sobre algumas questões filosóficas (de filosofia do direito) que têm me interessado. Está sendo muito prazeroso fazer esse livro até como mecanismo de amadurecimento de idéias, já preparando para a futura tese. Comecei na semana passada e, quando percebi, já tinha cinquenta páginas escritas. Depois jogo alguma coisa aqui. O título provisório é: “Pensar Direito: um guia para juristas curiosos“. Aguardem…

Anúncios

9 Respostas to “A calmaria do blog”

  1. Eduardo Enrique Jr. Says:

    Olá prof. George, sou estudante de direito e visito seu site quase todos os dias para ver se tem posts novos, pois admiro muito o seu trabalho, no que diz respeito a sua área de pesquisa em direitos fundamentais. Gostaria de lhe perguntar se teria alguma bibliografia para me passar sobre filosofia do direito, introdução ao direito, teoria do estado e direito constitucional, este último queria fazer um estudo mais aprofundado sobre a legitimidade da constituição e o processo histórico. Agradeço, desde já, a atenção.

  2. Eduardo Enrique Jr. Says:

    P.S: Apenas para “subir nos ombros dos gigantes”, para enxergar mais longe.

  3. Marden Says:

    Grande George, não sabia que você já tinha voltado… Depois mantenha-nos informados sobre o andamento do Doutorado!

    Ah, e valeu pela publicação do texto… Abraço

    • Fabrício Fernandes Andrade Says:

      Marden, meu nome é Fabrício, moro em Cacoal-Rondônia. Sou advogado e professor de Direito Constitucional. Li seu texto e gostei muito. Escrevi algo semelhante há alguns. Gostaria que você lesse e divulgasse. Como faço para enviá-lo? Um abraço e Parabéns.

  4. Caceres Says:

    George, é muito bom ver que você está cada vez mais adentrando ao estudo da filosofia, além do Direito eu tenho muito interesse por Filosofia e Sociologia, e gosto muito de estudar a relação entre esses três ramos do conhecimento.

    Na verdade, antes de cursar Direito eu cursava Psicologia, comecei fazendo os dois ao mesmo tempo, mas quando chegou no quarto semestre coisas da vida me fizeram escolher um dos dois, e fiquei com o Direito, mas uma vez por coisas da vida.

    Mas um dia, quando estiver mais organizado na vida, pretendo voltar a fazer graduação em Psicologia, ou quem sabe começar Filosofia. São ambientes acadêmicos completamente diferentes do âmbitos do Direito, o interesse pelo estudo aprofundando é muito mais sério. Um dia volto.

  5. Joao Paulo Says:

    George,

    Parabéns pela nova empreitada. Depois da calmaria, bem que você poderia nos presentear com algumas observações sobre Robert Nozick hehe.

    abraço

  6. Marcio Says:

    Veja essa:
    El Supremo de Alemania ve legal el uso de términos nazis en otro idioma
    Los jueces creen que la connotación nazi está fundamentalmente ligada a la lengua

    EFE – Berlín – 13/08/2009

    Vota
    Resultado Sin interésPoco interesanteDe interésMuy interesanteImprescindible 38 votos
    Comentarios Comentarios – 7 Imprimir Enviar

    El Tribunal Supremo alemán ha dictaminado este jueves que el uso de la terminología nacionalsocialista en un idioma extranjero no es anticonstitucional, aunque sí se considera como ilegal todo empleo en alemán de simbología relacionada con el Tercer Reich.

    Alemania
    A FONDO

    Capital:
    Berlín.

    Gobierno:
    República Federal.

    Población:
    82,369,552 (est. 2008)

    La noticia en otros webs

    * webs en español
    * en otros idiomas

    El juzgado ha revocado así una sentencia pronunciada en 2005 por la Audiencia Provincial de Gera (este del país), que había multado a un hombre por poseer cien camisetas con la inscripción Blood & Honour, nombre que lleva también una organización neonazi prohibida y que nace de la consigna de las juventudes hitlerianas Blut und Ehre (sangre y honor).

    Los magistrados han resaltado que si bien el nombre es idéntico al de una organización ilegalizada, la connotación nacionalsocialista la confiere de modo esencial el idioma y no únicamente el contenido. La traducción a otra lengua tiene un “efecto de alienación” que por ese motivo no puede entrar en la tipificación penal, ha argumentado el Supremo.

    El presidente de la cámara, Jörg Peter Becker, ha admitido que el tribunal es consciente de que la sentencia puede tener consecuencias favorables a los círculos ultraderechistas, pero ha subrayado también que la erradicación de la ideología nazi requiere algo más que el código penal.

  7. Fabricio Lordelo Says:

    George:
    não consigo ter acesso aos slides das aulas que você indicou na seção de slides de aula.
    Apenas os hospedados em rapidshare estão acessíveis.
    Já percebi que a dificuldade não é só minha.
    Como faço para ter acesso?

    Obrigado por este blog tão estimulante para mim que almejo uma carreira similar à sua.

  8. 2010 « Direitos Fundamentais – Blog Says:

    […] e não abandonei o projeto do livro “Pensar Direito”. Só deixei um pouco de lado em razão do doutorado. O livro exigia um aprofundamento em muitos […]

Os comentários estão fechados.


%d bloggers like this: