Jurisprudenciando – Cirurgia de Mudança de Sexo

by
O Portal do Tribunal Regional Federal da 4a Região divulgou, recentemente, notícia informando que uma ação civil pública, proposta pelo Ministério Público Federal, foi julgada procedente pelo referido Tribunal para obrigar o SUS a realizar a cirurgia de mudança de sexo (transgenitalização) nos pacientes transexuais. A decisão valeu para todo o território nacional.
Trata-se de um assunto bastante polêmico. Por isso mesmo, merece uma ampla discussão por parte da sociedade.
Particularmente, já tive oportunidade de analisar a matéria em dois trabalhos acadêmicos.
Num primeiro momento (2003 – Monografia de Especialização – Efetivação do Direito à Saúde pelo Poder Judiciário), afirmei o seguinte: “há o direito a qualquer tratamento que possa proporcionar o mais completo estado de bem estar, físico, mental e espiritual do homem, decorrente do art. 196, da CF/88. Desse modo, sendo a intervenção cirúrgica a única terapêutica adequada para minimizar o sofrimento do transexual, não há, em princípio, como negar o direito à cirurgia de retirada dos órgãos sexuais, até porque a repugnância do transexual pelos seus órgãos genitais pode atingir níveis psicopatológicos, conforme vem reconhecendo a medicina moderna. Daí, em tese, é possível, diante das peculiaridades do caso concreto, determinar judicialmente a cirurgia para retirada de órgãos sexuais para transexuais pelo SUS, desde que a decisão seja suficientemente consistente e não prejudique a programação orçamentária do sistema”.
Em outro momento (2007 – Proteção Judicial dos Direitos Fundamentais: diálogo constitucional entre o Brasil e a Alemanha), defendi isto:
“Imagine, por exemplo, a cirurgia de mudança de sexo em transexuais, chamada tecnicamente de cirurgia de transgenitalização do tipo neocolpovuolvoplastia. Em princípio, a citada cirurgia não está compreendida na noção de mínimo existencial e, certamente, seria possível, em tese, não reconhecer um direito fundamental à referida intervenção cirúrgica, tendo em vista a escassez orçamentária e a necessidade de se priorizarem os tratamentos mais graves.
No entanto, em um determinado caso concreto, é possível que o juiz se convença da necessidade da cirurgia e, mesmo na ausência de lei, determine que o Estado arque com as despesas do tratamento, levando em conta as peculiaridades do caso, usando a técnica da ponderação, após reunir argumentos consistentes capazes de justificar a decisão”.
Ainda não consegui obter cópia do voto do Roger Raupp Rios, que foi o relator do processo no TRF4. Mas, conhecendo os textos dele sobre o assunto (ver, por exemplo, “A discriminação por gênero e por opção sexual“), tenho certeza de que foi bem fundamentado, pois ele já estuda esse tema há bastante tempo e está bem antenado com a tendência moderna de se valorizar a diversidade. Com toda certeza, não foi uma decisão apenas para chamar a atenção.
Upgrade

O colega Roger Raupp Rios, gentilmente, enviou-me por email cópia da decisão no Caso da Cirurgia de Mundança de Sexo (veja na íntegra, em primeira mão, o acórdão em pdf).

Só a ementa já é uma aula de direitos fundamentais. Confira:

DIREITO CONSTITUCIONAL. TRANSEXUALISMO. INCLUSÃO NA TABELA SIH-SUS DE PROCEDIMENTOS MÉDICOS DE TRANSGENITALIZAÇÃO. PRINCÍPIO DA IGUALDADE E PROIBIÇÃO DE DISCRIMINAÇÃO POR MOTIVO DE SEXO. DISCRIMINAÇÃO POR MOTIVO DE GÊNERO. DIREITOS FUNDAMENTAIS DE LIBERDADE, LIVRE DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE, PRIVACIDADE E RESPEITO À DIGNIDADE HUMANA. DIREITO À SAÚDE. FORÇA NORMATIVA DA CONSTITUIÇÃO.
1 – A exclusão da lista de procedimentos médicos custeados pelo Sistema Único de Saúde das cirurgias de transgenitalização e dos procedimentos complementares, em desfavor de transexuais, configura discriminação proibida constitucionalmente, além de ofender os direitos fundamentais de liberdade, livre desenvolvimento da personalidade, privacidade, proteção à dignidade humana e saúde.
2 – A proibição constitucional de discriminação por motivo de sexo protege heterossexuais, homossexuais, transexuais e travestis, sempre que a sexualidade seja o fator decisivo para a imposição de tratamentos desfavoráveis.
3 – A proibição de discriminação por motivo de sexo compreende, além da proteção contra tratamentos desfavoráveis fundados na distinção biológica entre homens e mulheres, proteção diante de tratamentos desfavoráveis decorrentes do gênero, relativos ao papel social, à imagem e às percepções culturais que se referem à masculinidade e à feminilidade.
4 – O princípio da igualdade impõe a adoção de mesmo tratamento aos destinatários das medidas estatais, a menos que razões suficientes exijam diversidade de tratamento, recaindo o ônus argumentativo sobre o cabimento da diferenciação. Não há justificativa para tratamento desfavorável a transexuais quanto ao custeio pelo SUS das cirurgias de neocolpovulvoplastia e neofaloplastia, pois (a) trata-se de prestações de saúde adequadas e necessárias para o tratamento médico do transexualismo e (b) não se pode justificar uma discriminação sexual (contra transexuais masculinos) com a invocação de outra discriminação sexual (contra transexuais femininos).
5 – O direito fundamental de liberdade, diretamente relacionado com os direitos fundamentais ao livre desenvolvimento da personalidade e de privacidade, concebendo os indivíduos como sujeitos de direito ao invés de objetos de regulação alheia, protege a sexualidade como esfera da vida individual livre da interferência de terceiros, afastando imposições indevidas sobre transexuais, mulheres, homossexuais e travestis.
6 – A norma de direito fundamental que consagra a proteção à dignidade humana requer a consideração do ser humano como um fim em si mesmo, ao invés de meio para a realização de fins e de valores que lhe são externos e impostos por terceiros; são inconstitucionais, portanto, visões de mundo heterônomas, que imponham aos transexuais limites e restrições indevidas, com repercussão no acesso a procedimentos médicos.
7 – A força normativa da Constituição, enquanto princípio de interpretação, requer que a concretização dos direitos fundamentais empreste a maior força normativa possível a todos os direitos simultaneamente, pelo que a compreensão do direito à saúde deve ser informada pelo conteúdo dos diversos direitos fundamentais relevantes para o caso.
8 – O direito à saúde é direito fundamental, dotado de eficácia e aplicabilidade imediatas, apto a produzir direitos e deveres nas relações dos poderes públicos entre si e diante dos cidadãos, superada a noção de norma meramente programática, sob pena de esvaziamento do caráter normativo da Constituição.
9 – A doutrina e a jurisprudência constitucionais contemporâneas admitem a eficácia direta da norma constitucional que assegura o direito à saúde, ao menos quando as prestações são de grande importância para seus titulares e inexiste risco de dano financeiro grave, o que inclui o direito à assistência médica vital, que prevalece, em princípio, inclusive quando ponderado em face de outros princípios e bens jurídicos.
10 – A inclusão dos procedimentos médicos relativos ao transexualismo, dentre aqueles previstos na Tabela SIH-SUS, configura correção judicial diante de discriminação lesiva aos direitos fundamentais de transexuais, uma vez que tais prestações já estão contempladas pelo sistema público de saúde.
11- Hipótese que configura proteção de direito fundamental à saúde derivado, uma vez que a atuação judicial elimina discriminação indevida que impede o acesso igualitário ao serviço público.
12 – As cirurgias de transgenitalização não configuram ilícito penal, cuidando-se de típicas prestações de saúde, sem caráter mutilador.
13 – As cirurgias de transgenitalização recomendadas para o tratamento do transexualismo não são procedimentos de caráter experimental, conforme atestam Comitês de Ética em Pesquisa Médica e manifestam Resoluções do Conselho Federal de Medicina.
14 – A limitação da reserva do possível não se aplica ao caso, tendo em vista a previsão destes procedimentos na Tabela SIH-SUS vigente e o muito reduzido quantitativo de intervenções requeridas.
14 – Precedentes do Supremo Tribunal Federal, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, da Corte Européia de Justiça, do Tribunal Europeu de Direitos Humanos, da Suprema Corte dos Estados Unidos, da Suprema Corte do Canadá, do Tribunal Constitucional da Colômbia, do Tribunal Constitucional Federal alemão e do Tribunal Constitucional de Portugal.
DIREITO PROCESSUAL. LEGITIMIDADE ATIVA DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. ANTECIPAÇÃO DE TUTELA CONTRA A FAZENDA PÚBLICA. ABRANGÊNCIA NACIONAL DA DECISÃO.
15 – O Ministério Público Federal é parte legítima para a propositura de ação civil pública, seja porque o pedido se fundamenta em direito transindividual (correção de discriminação em tabela de remuneração de procedimentos médicos do Sistema Único de Saúde), seja porque os direitos dos membros do grupo beneficiário têm relevância jurídica, social e institucional.
16 – Cabível a antecipação de tutela, no julgamento do mérito de apelação cível, diante da fundamentação definitiva pela procedência do pedido e da presença do risco de dano irreparável ou de difícil reparação, dado o grande e intenso sofrimento a que estão submetidos transexuais nos casos em que os procedimentos cirúrgicos são necessários, situação que conduz à auto-mutilação e ao suicídio. Jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, do Superior Tribunal de Justiça e do Tribunal Regional Federal da 4ª Região.
17 – Conforme precedentes do Supremo Tribunal Federal e deste Tribunal Regional Federal da 4ª Região, é possível a atribuição de eficácia nacional à decisão proferida em ação civil pública, não se aplicando a limitação do artigo 16 da Lei nº 7.347/85 (redação da Lei nº 9.494/97), em virtude da natureza do direito pleiteado e das graves conseqüências da restrição espacial para outros bens jurídicos constitucionais.
18 – Apelo provido, com julgamento de procedência do pedido e imposição de multa diária, acaso descumprido o provimento judicial pela Administração Pública.

Anúncios

5 Respostas to “Jurisprudenciando – Cirurgia de Mudança de Sexo”

  1. leticia Says:

    como transexual acho valido todo esse debate mas preciso ver açoes concretas acontecendo….

    estou na fila entre aspas por que nao existe uma numeração certa….

    e provavelmente demorarei uns 3 anos ou mais para me operar no hospital das clinicas de sp, sendo que particularmente eu faria na hora pelo valor de 25 mil…..

    merecemos passar todo esse tempo ainda presas nesse orgao sexual errado pela morosidade dos procedimentos???

    preciso ver açoes concretas….. alguem ilumine as coisas por favor!

  2. Eliete Says:

    Na minha opinião, Voce só ve a si mesmo, só enxerga o próprio umbigo. Como assim?
    Te digo caro amigo… Eu nasci com seios pequenos e no entando quero ter os seios maiores, se vc como transexual quer arrancar o que lhe incomoda por conta do dinheiro público, pq as mulheres com seios pequenos também não? Eu te digo o Porque!
    Tem pessoas morrendo em macas espalhadas pelos corredores dos hospitais e vc coitadinho pensando que ainda levará tres anos para operarem, te digo mais uma coisinha, tem gente que tem enfermidades de auto Risco de Morte, E VC pensando em 3 anos para operar enquanto que elas apodrecem literalmente o corpo , perdendo a dignidade humana de convivencia devido a sua podridão. Mas quem quer saber disso não é??? Vc só pensa que levarão 3 longos anos, …Olha o que me causa um senso terrível de indignação, é que os recursos são poucos fora os roubos de tudo que é destinado a area da saúde, temos que pensar em todos não em uma classe de pessoas. Se todos somos iguais então todos temos o direito ao recurso, ja que pagamos pelo mesmo. Minha ideia é a seguinte se eu quero peitos tenho que compra-los, e se vc quer que lhe tirem algo pague por isso também, afinal é de cunho estético sua cirurgia, junte seu dinheiro e invista em vc. Não queira passar na frente dos que realmente padecem.

  3. danielle Says:

    Infelizmente tem gente morrendo nas filas do SUS mesmo, mas isso nao significa que os transexuais nao possuem esse direito.
    eu sou mulher e como vc tambem possuo seios pequenos, mas posso lhe garantir q isso não me causa o sofrimento que essas pessoas passam.
    como vc mesma disse, não se pode olhar so para seu proprio umbigo, o transexualismo é uma doença e causa muito sofrimento e constrangimeto aos que nascem em um corpo que nao corresponde à sua identidade psicologica. O transexual é uma pessoa q sente fora do seu corpo, como uma mulher presa no corpo de um homem e vice-versa.
    Agradeça a Deus por seu problema ser so de seios pequenos, pq tem gente q sofre com problemas muito piores.
    E o que impede que essas pessoas que estão morrendo nas filas dos hospitais de serem atendidas não é as cirurgias de transgenitalização e sim a corrupção, o desvio de verbas publicas, são pessoas que pensam somente em si, como vc bem disse, que desviam milhoes dos cofres publicos, é isso que temos que combater, e não o Direito que essas pessoas têm de recuperar sua dignidade.
    Eu como estudante de Direito, luto e vou continuar lutando sempre, para que seja respeitado o direito de todos…
    tanto dos que estão morrendo nas filas dos hospitais como o dos que sofrem passando por constrangimentos diários por serem transexuais e nao se identificarem com seu corpo.
    Na cabeça dele ele é uma mulher, vc imagina oq é isso?
    é acho que não é só ele que está olhando para seu proprio umbigo…

  4. Andressa Says:

    Cara Eliete,

    Concordo que há pessoas morrendo em filas e macas de hospitais, mas você deveria pesquisar antes de falar. O transexualismo é uma patologia (CID F64.0), que como qualquer outra enfermidade merece tratamento, pois todos somos iguais perante a lei, porém no caso dos transexuais, além deles serem discriminados, sofrerem ofensas cotidianas a sua dignidade, eles são proibidos a submeterem-se a cirurgia de redesignação sexual por lei, haja vista que o art. 129, p. segundo, inciso III, do Código Penal brasileiro, a realização da cirurgia pode gerar conflitos penais para o médico e por esta razão, além de tantas outras, que a Leticia sofre por anos, sendo que de acordo com o comentário dela ela poderia realizar sua cirurgia na hora por 25 mil reias, independente dela ter o dinheiro ou não, ela não pode submeter-se a cirurgia que na sua opinião, Eliete, é de cunho estético, mas que na realidade é de cunho terapêutico. Todos temos direito a saúde, independente da enfermidade que nos acomete e a falta de informação gera opiniões assim, tão pouco conscientes e muito discriminatórias!
    Antes de criticar algo, informe-se a respeito.

    Caro George,
    Parabéns por seus artigos.
    Além de atuais, são esclarecedores e didáticos.
    Obrigada

  5. rogerio Says:

    Existem pessoas que tambem querem se transformar em animais, tigres, lagartos, veja as transformaçoes que fazem em seus corpos (basta ver as noticias sobre aberraçoes) outras querem ter relaçoes sexuais com crianças e isso é pra eles fundamental, nao conseguem viver sem isso; outros gostam de ter relaçoes sexuais com animais; outros com cadaveres; outros drogas, matam roubam para obterem; outros preferem os estupros, no caso de estrupro e pedofilia a ainda são crimes. Eu sou cristão e gostaria de viver numa sociedade em que as leis nao fossem feitas por pessoas cristas e nao por pessoas que vivem como se Deus não existisse.

Os comentários estão fechados.


%d bloggers like this: