Dicas de Concurso

by
Na época em que eu administrava meu site pessoal, o público mais cativo era, sem dúvida, os “concurseiros”. Como eu tinha vivido as mesmas angústias pelas quais os concurseiros estão passando, procurei, com o site, sugerir algumas dicas e técnicas de estudo que foram eficazes para mim. Fiquei feliz em saber que muita gente seguiu minhas dicas e obteve sucesso.
Atualmente, estou meio “enferrujado”. Já faz mais de seis anos que não faço concursos (o do mestrado não conta, não é?). Portanto, digo com sinceridade que estou por fora das novidades em matéria de concursos, sobretudo de livros (abro uma exceção para direito constitucional, que, como professor, tenho a obrigação de me manter 100% atualizado).
Mas como sei que o blog está sendo e será visitado por muita gente que está fazendo concursos públicos, não posso deixar de me preocupar com esse público tão fiel.
Por isso, cascavilhando os antigos arquivos do site, encontrei as dicas abaixo que, penso eu, continuam válidas.
Dicas para Facilitar a Aprovação em Concursos Públicos
As dicas abaixo não são uma garantia de aprovação, obviamente. Funcionaram comigo, mas podem não funcionar com outras pessoas, pois cada um tem uma técnica peculiar de estudo. Além disso, nem apenas o estudo garante a certeza da aprovação. Em grande parte, o êxito do candidato deve-se à sorte (sorte de estar psicologicamente bem no dia da prova, sorte de ter estudado as matérias que efetivamente “caíram” na prova e, por fim, sorte de ter “chutado bem”). As técnicas sugeridas servem fundamentalmente para concursos da área jurídica.
1. Procure não estudar mais do que uma disciplina por semana.
Para aqueles estão estudando por conta própria, e não em cursinhos preparatórios, recomendo que tente se concentrar em uma disciplina de cada vez. Desse modo, é mais fácil se familiarizar com a matéria. Vale aprofundar o estudo naqueles temas clássicos dos concursos públicos (p. ex., controle de constitucionalidade, desapropriação, ações coletivas, responsabilidade civil, princípios etc). No meu caso, já cheguei a estudar a mesma matéria por várias semanas seguidas, sobretudo os temas mais importantes.
2. Estude os textos das leis e dos códigos mais importantes.
O estudo da lei é necessário, sobretudo para as provas objetivas. Boa parte da informação fica guardada inconscientemente na memória. Assim, por mais que se imagine que de nada valeu a leitura de quinhentos artigos de um determinado código, alguma coisa ficou guardada e terá utilidade no futuro.
Minha técnica para estudar as leis era basicamente a seguinte: tendo em mãos um Código Comentado ou Anotado, eu lia um determinado artigo com seus comentários, selecionando os trechos que, na minha opinião, eram mais importantes. Depois, lia novamente apenas os trechos selecionados, gravando em arquivos de áudio, para escutar mais tarde, enquanto fazia um cooper ou no carro.
3. Resolva provas de concursos passados.
Muitas questões de provas são apenas repetições de concursos passados. Dessa forma, uma técnica para garantir a aprovação nas provas objetivas é resolver o máximo de questões de outros concursos, sobretudo se forem da mesma carreira que o candidato pretende ingressar. No Google, você encontrará vários sites que disponibilizam provas passadas.
Uma boa técnica que funcionou não só para mim, mas para outros colegas que fizeram provas comigo, é a seguinte: responda com mais três ou quatro pessoas uma determinada prova de outro concurso passado. Ao invés de fazer logo toda a prova, cada uma das pessoas, isoladamente, deverá responder apenas umas vinte questões. A seguir, confiram em conjunto as respostas, procurando um ajudar ao outro nas questões que não foram respondidas corretamente.
4. Leia muitos artigos jurídicos.
Para as provas subjetivas, é fundamental aprofundar o estudo em determinadas matérias. Certamente, um artigo jurídico tem uma profundidade muito maior do que um “Manual”. Por isso, em determinados assuntos, é melhor estudar por artigos jurídicos do que por livros. Mas não leia qualquer coisa. Saiba escolher a leitura. Procure ler artigos dos grandes autores.
5. Estude mais a matéria que você gosta.
Essa dica deve ser observada com cautela. Na verdade, não se trata de estudar o que você mais sabe, o que não é muito útil, porém estudar os assuntos mais variados sob uma ótica da matéria que você gosta e entenda. Funciona bem para aqueles que, como eu, gostam de direito constitucional, pois é possível estudar quase todos os assuntos sob uma ótica constitucional. Em quase todas as provas que eu fiz, fui muito mal nas disciplinas do chamado direito privado (em especial, direito comercial). Na minha opinião, não vale a pena perder tanto tempo estudando algo que você simplesmente não consegue entender. O melhor é procurar ser muito bom em pelo menos seis ou sete matérias e saber apenas o básico daquelas que, para você, são mais difíceis.
6. Nas provas subjetivas, responda objetivamente.
Não é preciso dizer que a resposta tem que ser legível, devendo ser evitados rabiscos. Além disso, o candidato deve procurar ser o mais objetivo possível, respondendo a questão sem subterfúgios. Ou seja: vá direto ao que a questão pede. Seja breve na fundamentação (melhor dizendo: não enrole em demasia). Mostre conhecimento sem se alongar demais. Não utilize uma linguagem difícil. Seja o mais claro possível. Escreva como se estivesse ensinando, isto é, seja didático em sua resposta (p. ex: numa prova de sentença, ao passar do exame das preliminares para o mérito escreva “Resolvidas as questões preliminares, passa-se ao mérito” e assim por diante).
7. Destaque as palavras e frases principais de sua resposta.
Procure realçar aquilo que a questão pede. Eu costumava utilizar um marca-texto para destacar a resposta pedida. Por exemplo, na prova subjetiva do concurso de Juiz Federal, houve uma questão cujo enunciado era o seguinte: É constitucional o preço de transferência? A presunção dele decorrente é absoluta ou relativa? Ao responder a questão, eu tinha um vago conhecimento sobre o que era o preço de transferência, o que não seria suficiente para responder satisfatoriamente a questão. Porém, sabia que ele era constitucional e que a presunção dele decorrente era relativa. A minha resposta foi curta (cerca de cinco linhas). Mesmo assim eu realcei, no corpo do texto, exatamente o que a questão pedia (no caso, grifei com marca texto as expressões “é constitucional o preço de transferência” e “a presunção dele decorrente é relativa”, deixando a fundamentação sem qualquer destaque). Com isso, consegui todos os pontos da questão mesmo sem saber fundamentar corretamente a resposta.
8. Nas provas pesquisadas, leve o maior material de consulta possível.
Um dos maiores traumas de um candidato é não possuir uma determinada lei que foi objetivo de uma questão em uma prova onde é permitida a consulta. Dessa forma, tenha em mãos o máximo de leis e códigos possíveis, de preferência as que tenham um índice para facilitar a consulta. Obviamente, o candidato deverá ter uma certa prática no manuseio do material; do contrário, a enorme quantidade de leis e códigos poderá, inclusive, atrapalhar.
9. Nas questões subjetivas em que existem várias respostas possíveis, procure explicar cada corrente, informando qual a adotada pelos tribunais ou pela doutrina majoritária, sem emitir juízo depreciativo a respeito de qualquer das teses existentes.
Não seja crítico em demasia ao responder uma questão em que há posicionamentos doutrinários opostos. Nunca se sabe se o responsável pela correção da prova concorda com o seu ponto de vista. Portanto, procure ser “neutro” nas respostas, informando em que se baseiam as correntes e esclarecendo qual delas é adotada pela maioria. Não se deve ficar “em cima do muro”, pois você deve dar sua resposta, mesmo que você não concorde com a maioria. O importante é que você demonstre saber que existem várias correntes, evitando proferir qualquer juízo depreciativo.
10. Leia os informativos de jurisprudência do STF e do STJ
O melhor modo de se manter atualizado com o posicionamento jurisprudencial dos tribunais superiores é acompanhar os informativos que os referidos tribunais divulgam. Vale a pena ler todos, desde os primeiros até os mais recentes.
Link para o Site do STF.
Link para o Site do STJ.
11. Leia as súmulas dos Tribunais
A leitura das súmulas dos Tribunais, sobretudo do STJ, é bastante importante. Tente entender como surgiram as dicussões, e sempre procure observar se a súmula ainda está em vigor. Ultimamente, o STJ vem cancelando algumas súmulas. O STF também possui várias súmulas já superadas. É preciso ficar atento e atualizado. O STJ dispõe de um serviço bastante interessante de Jurisprudência em Destaque. Vale a pena conferir.
12. Procure estudar as mais recentes alterações legislativas (sobretudo constitucionais) e jurisprudenciais
As recentes alterações legislativas são sempre muito exploradas nas provas. Geralmente, exige-se que o candidato esteja bem atualizado. Desses modo, é útil e conveniente estudar as leis recentemente aprovadas e, principalmente, as emendas constitucionais. Procure saber como era antes e como ficou depois da alteração. O mesmo ocorre com as mudanças jurisprudenciais. É preciso ficar bastante atento, até porque a jurisprudência está cada vez mais dinâmica.
13. Tente obter títulos.
O ingresso nas carreiras jurídicas mais importantes exige do candidato títulos. Portanto, corra atrás dos títulos. Escreva artigos ou mesmo livros sobre temas que você domina. Se não conseguir publicar em revistas especializadas ou arcar com os custos de uma edição, junte-se com outros candidatos e dividam o custo. Não menospreze a qualidade de seus textos. Publique-os. Como regra, não são aceitas publicações na internet. Mesmo assim, em último caso, divulgue seus trabalhos também na internet. Além de contribuir para a democratização da informação, você poderá conseguir alguns pontinhos em uma prova de títulos.
14. Consiga informações sobre a formação jurídica dos componentes da banca.
Vale a pena conhecer o perfil de quem elaborará e/ou corrigirá a prova. Leia seus artigos, livros, estudos. Procure saber qual a sua especialidade. Esta dica é válida apenas quando existe “comissão do concurso”. Em regra, quem faz a prova e corrige é a própria empresa organizadora do concurso. Nesse caso, o melhor é conhecer as questões das provas passadas.
15. Faça o máximo de concursos possíveis.
A persistência é o maior trunfo para quem quer passar em concurso público. Por isso, faça todos os concursos que aparecerem, mesmo se você não tem intenção de assumir o cargo, pois o que vale é a experiência adquirida. Para ficar por dentro dos concursos que estão ocorrendo, vale visitar os sites dedicados aos concursos. Geralmente, esses sites trazem informações bastante úteis aos concurseiros.
Advertisements

15 Respostas to “Dicas de Concurso”

  1. Anonymous Says:

    Realmente. Segui suas dicas e bibliografia e obtive sucesso. Mesmo “enferrujado”, acredito que suas indicações bibliográficas continuariam atuais, ante a continuidade de seus estudos. Portanto, presenteie os internautas com elas, principalmente em direito constitucional.

  2. George Marmelstein Says:

    Em breve, devo incluir o roteiro de estudo de direito constitucional. Obrigado pela Dica.

  3. Anderson Lins Says:

    Saudações, entrei no seu site pela 1ºvez alguns anos atrás, quando estava no meio do curso.Hoje completarei 1 ano mês que vem e tenho aqui um roteiro que imprimi àquela época e que considero muito valioso, que começa com a leitura da CF e vai evoluindo até as outras matérias a bibliografia e o roteiro de leis e textos são muito bons. Leios os informativos desde 2004, quando, no 6 semestre, fiz um curso na Escola dos Magistrados aqui da Bahia, pois meu sonho é ser Juiz Federal. Bem, só queria agradecer e demonstrar o quanto o seu site foi e é importante, embora a parte dos “concurseiros” tenha ficado um pouco de lado. Feliz ano novo e felicitações! Espero passar em breve.

  4. anderson lins Says:

    errata: 1 ano de formado mês que vem

  5. Anderson Lins Says:

    Desculpe pelas incongruências e falata de pontuação adequada, não sou bom digitador e o espaço aqui não favorece.

  6. Régis - Passo Fundo/RS Says:

    Mesmo enferrujado e afastado desse mundo de corridas, essas suas dicas solidárias continuam “salvando vidas”, como bem diz outro estimado professor. Obrigado!

  7. Renato Coimbra Says:

    Bravo! Seus comentários são geniais, embora pense que estejam enferrujados pelo decurso do tempo, nada disso muito pelo contrário, acredito que experiências de vida, sejam em qualquer área de conhecimento são sempre muito valiosas, especialmente para quem pretende trilhar caminhos parecidos dentro da carreira jurídica. Conclui meu curso de direito, minha segunda graduação, em dezembro de 2007, fui aprovado no último exame da OAB/DF realizado também em dezembro 2007 (1º fase) e, em março de 2008, fui aprovado na 2º fase. Pensei que não fosse conseguir!
    Assim, agora como advogado recém compromissado já comecei a desfrutar do seu blog em buscas das próximas conquistas e, para tanto, tenho procurado extrair tudo que posso, mas como são muitas as informações valiosas, somadas a tantas outras que temos que estudar que, sempre penso que vou pirar ou que não vou conseguir ter forças para continuar estudando até passar num bom concurso. Fico me perguntando se realmente vou conseguir passar, especialmente porque vejo tanta gente boa gabaritando as provas do CESPE, ESAF e outras que, sinceramente, penso que nunca chegarei lá… será? Obrigado e parabéns!

  8. Rennan Campos Says:

    Pela sua experiencia, seu conhecimento se tornou algo primordial para motivação e ideias de como prosseguir , nesse plano que certamente o guiara na sua vida profissional.

    Estou iniciando minha graduação de direito esse ano, e estou tentando me tornar auto-didata e me preparar para o concurso da PGE .

    Grato desde já pela sua ilustrissima boa vontade, em passar a diante conhecimentos e experiencias relacionados a concurso.
    Rennan Campos

  9. Gustavo Moraes Says:

    Dr. George. Mais uma vez, parabéns por este seu altruíssimo em colaborar com os concurseiros para as carreiras jurídicas.
    Perdoe-me a ignorância, mas não entendi a dica quanto à marcação/destaque das questões. As instituições organizadoras de concursos não permitem o uso de marcadores tampouco realçar letras nas respostas às questões.

    • Hosana Alves Says:

      Devo dizer que também fiquei em dúvida quanto a este ponto. E sobre provas objetivas e subjetivas desejo saber quando as mesmas são aplicadas, pois o concurso que pretendo prestar terá prova objetiva e prova prática de digitação, que será para o cargo de Escrevente Técnico Judiciário (nível médio).

      Grata, desde já.

  10. Alexandre Ribas Says:

    Professor, quando o Senhor virá à Brasília para ministrar alguma palestra ou curso?

  11. Herivelton Says:

    Dr. George, Parábens pelo site e obrigado pelas dicas, certamente elas serão muito úteis para os candidatos aos cargos de Juiz e Promotor.

  12. Cledson José Pereira da Silva Says:

    Boa tarde Prof. George.

    Como o senhor é professor de Direito Constitucional, gostaria de lhe fazer uma pergunta.

    O livro do Uadi Lammêgo Bulos é recomendado para o concurso para ingresso na magistratura federal?

    Possuo os livros do Pedro Lenza e Alexandre de Moraes. Entretanto, acho que o primeiro possui uma leitura entediante e o segundo é incompleto em alguns pontos, ao passo que, pelos menos para mim, a leitura do livro do Bulos é estimulante, muito bom.

    Após terminar sua leitura, vou adquirir o livro do Gilmar Mendes, para aprofundar bem o estudo.

    Meu e-mail para resposta é cledsonjp@uol.com.br.

  13. Alan Ferraz Says:

    Professor George, poderia me indicar uma boa obra relativa ao Direito à Saúde? Grato pela atenção meu nobre!

  14. Hosana Alves Says:

    Olá professor George,

    Por acaso encontrei este site com dicas para passar em concursos. É a primeira vez que participarei de um e espero que essas dicas funcionem comigo. Afinal, é sempre bom utilizar um pouco das experiências de outrem que foi bem sucedido com suas técnicas. Parabéns pelo site, ótima escrita e de fácil entendimento.

Os comentários estão fechados.


%d bloggers like this: